Como fazer meditação


Fazer meditação é um grande objeto de desejo de muita gente, pois, é difícil ficar insensível diante de tantos benefícios que ela trás, inclusive, largamente comprovados por um sem número de pesquisas científicas – para quem precisa desse aval – mas, como fazer, efetivamente, ou melhor, como continuar ou não desistir.

Como a mente com sua agitação costumeira, inquietação, falação, lembranças, sonhos e preocupações, domina o “sistema” há tanto tempo – o tempo da vida de cada um – conseguir cessar todo este “ruido”, não é muito simples e nem fácil. E é o que propõe e/ou pretende a meditação

Em função disso, existem inúmeras técnicas para todo gosto, que podem facilitar o processo. Entretanto, apesar de tantas opções, eu criei uma. É verdade! Eu já tenho um certo histórico com meditação e yoga, e identifiquei o ponto que mais “pega” para quem decide fazer meditação.

Mais simples impossível. Dei-lhe o nome de “Sentação”, É isso! Ficar sentado. Limite-se a encontrar uma posição/postura o mais próxima possível da postura de Lótus – ver imagem – de preferência em um lugar – tranquilo e silencioso – onde possa ficar por algum tempo sem ser interrompido.

O segredo é fazer isto todos os dias – impreterivelmente – de preferência no mesmo horário, tipo antes de dormir ou ao acordar, melhor os dois, por um tempo inicial, tambem determinado, de 15 a 20 minutos. Se você reza ou faz orações nestas ocasiões, aproveite e faça enquanto está sentado, pois, só ajuda o aquietamento. Se ocorrer de algum dia achar que não tem tempo, “sente” por 5 minutos que seja, pois, manter o ritmo é fundamental.

Imagem 2
Depois de algum tempo, que pode ser longo ou não, vai perceber que o seu corpo já aceita e fica quieto. Daí é ficar ligado na corrente de pensamentos, observando e, gradualmente, escolhendo algum mais relevante em que se detenha.

Na sequência comece a observar o espaço vazio que existe entre dois pensamentos. É verdade! Eles não são contínuos como um fio. Com a observação e o “tempo”, vai perceber que ele – o intervalo – vai se expandindo, expandindo... até ficar só ele...

O tempo está entre aspas, porque ele não é muito relevante no processo, pois, é uma percepção da mente, apenas. Tudo vai depender de um ritmo interno que existe em cada um de nós, e que vai perceber.

É isso! Se ainda tiver alguma dúvida e quiser algum esclarecimento adicional, use o espaço dos comentários ou o “Contato”, no banner ao lado, para um contato direto.

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações.

Share/Save/Bookmark